Natação, caimbras, asma de esforço

2014-11-14


Caso: homem, 44 anos, passado desportivo, treina natação 3x por semana das 21h às 22h, asma de esforço e dificuldade em adormecer nos dias de treino.

Análises em 21 de Fevereiro de 2014:

– Colesterol total: 200 mg/dL

– HDL-c: 51 mg/dL

– Glicémia em jejum: 94 mg/dL

– Urémia: 48 (máximo 50)

– Fosfatase alcalina: 43 (intervalo de referência entre 50 e 136)

Iniciou plano com nutrição desportiva e funcional em Junho de 2014.
Data     Peso (Kg)     Altura (m)     IMC
5/Jun     109,0     1,76     35,2
11/Jul     101,5     1,76     32,8
21/Ago     96,9     1,76     31,3
2/Out     94,3     1,76     30,4

Iniciou-se uma estratégia de redução da carga glicémica da dieta, introduzindo suplementação desportiva, com o objectivo de diminuir o peso e a massa gorda.

Em Julho deixou de ter asma de esforço (no final do treino).

Em Agosto deixou de ter câimbras no treino e melhorou significativamente o sono.

Conseguiu ir de férias durante 15 dias e continuar a perder peso tal como volume:
Data     Cintura     Abdomen     Anca
5/Jun     105,4     109,0     112,8
11/Jul     100,0     105,0     110,0
21/Ago     96,4     99,4     108,0
2/Out     93,5     96,6     106,0

Ao realizar análises em 5 de Setembro de 2014, observou-se:

– Melhoria da glicémia: de 94mg/dL para 80mg/dL

– Colesterol  Total: de 200 para 155mg/dL

– HDL-c (“colesterol bom”): de 51 para 59mg/dL

– Melhoria de todas as enzimas hepáticas (AST, ALT, GGT)

– Magnésio baixo: 1,9 (de 1,8 a 2,4 mg/dL)

– Cortisol plasmático basal: 14,49 mcg/dL (normal subótimo)

– Cortisol urina 24h: 350,4 (muito alto: maximo 213,7 mcg/24h)

Neste caso coloca-se a hipótese de que o exercício à noite elicita uma resposta adrenérgica que poderá perturbar o ritmo circadiano e, consequentemente, o biorritmo do cortisol.

Foi revista a estratégia de suplementação:

– introduziu-se magnésio em suplemento, anteriormente apenas havia sido feito um reforço de alimentos ricos em magnésio

– introduziu-se adaptogénico em suplemento para modular as supra-renais

Eis a evolução das pregas adiposas durante o programa:
Data     Abdominal     Supra-ilíaca     Subescapular     Axilar     Peitoral     Tricipital     Bicipital     Crural
5/Jun     50,0     21,0     33,0     19,0     24,0     16,0     15,0     17,5
11/Jul     48,0     21,0     30,0     16,5     24,0     16,0     12,5     15,0
21/Ago     38,0     16,0     24,0     19,0     18,0     14,5     11,5     14,5
2/Out     32,5     16,0     22,5     11,5     15,5     14,0     12,0     13,5

 

Conclusão:

– Melhoria da performance desportiva

– Melhoria da composição corporal (redução de massa gorda e aumento de massa muscular)

– Melhoria do perfil de risco cardio-metabólico e respiratório

– Aguardamos a confirmação da redução da fadiga adrenal em próximas análises